The end

Assim parto, assim deixo a restea inutil de vida… aquela

que não faz sentido, mas quem sou Eu para abandonar a vida,

destruir a obra divina, mas a dor pesa, a solidão, o

desconforto, a falta da essencia… O jardim já não parece

ter rosas mas apenas espinhos, espinhos que magoam, fazem

sangrar a alma, mas porque ainda estou aqui? Qual o

proposito? Será castigo? Estou vazio… oco… sem sentido

para continuar, apenas vejo a luz ao fundo chamando por mim,

não quero apressar as coisas, mas o fardo é pesado, sou

guerreiro mas mesmo um guerreiro sabe quando deixar de

lutar… valhalla awaits me…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s